Doença de Crohn: o que é, o que provoca, como se manifesta e tratamentos

Por Procto em 08/06/2022
Doença de Crohn: o que é, o que provoca, como se manifesta e tratamentos

A Doença de Crohn afeta o trato gastrointestinal, mais comumente a última parte do intestino delgado e o intestino grosso - embora possa surgir também em outras regiões do trato, desde a boca até o ânus. 

Não temos dados para mensurar a incidência da doença de forma homogênea no país. No estado de São Paulo a sua prevalência é de 52,5 casos para cada 100 mil habitantes

Ao longo deste artigo falaremos mais sobre essa condição, seus principais sintomas e os tratamentos recomendados.

O que é Doença de Crohn?

A Doença de Crohn é uma patologia inflamatória, de caráter auto-imune, do trato gastrointestinal. Antigamente conhecida como ileíte, devido a se pensar que atingia apenas o íleo, porção final do intestino delgado, recebeu o novo nome porque Burril B. Crohn foi o primeiro nome listado em um artigo, de três autores, que descreveu a doença em 1932.

Sabe-se atualmente que a condição pode afetar outras partes do trato gastrointestinal, como vimos anteriormente. 

Sua causa ainda não está definida, ao que parece é provocada por alguma desregulação do sistema imunológico, mas fatores genéticos e estresse também podem estar relacionados, tanto com o surgimento da doença quanto com o desencadeamento dos sintomas. 

O que provoca e como se manifesta?

De acordo com o artigo “Doença de Crohn: Diagnóstico e tratamento” de Sérgio Junior e Paolo Errante, a condição é caracterizada por “episódios recorrentes de   diarréia, dores abdominais com cólica e febre que pode perdurar por dias a semanas”.

Também são comuns sintomas como perda de peso, desnutrição e anemia, além do retardo do desenvolvimento das crianças acometidas. Segundo a mesma fonte, há presença de melena, ou seja, fezes muito escuras e fétidas, em pelo menos 50% dos casos com envolvimento do cólon.

Entre as manifestações clínicas da doença, podem estar presentes: 

  • Sangramento retal;
  • Dores articulares;
  • Diarréias com muco e/ou sangue;
  • Fístulas e abcessos na região perianal;
  • Dores abdominais;
  • Perda de peso;
  • Anemia.

Diagnóstico da Doença de Crohn

Como os sintomas da doença podem variar bastante de pessoa para pessoa e estão relacionados também a outras condições que atingem o trato gastrointestinal, seu diagnóstico, geralmente, é difícil. 

O histórico do paciente, um exame físico, exames laboratoriais, exames radiológicos e exames endoscópicos são utilizados para análise de cada caso. 

Entre os exames complementares requeridos podemos ter: 

  • Hemograma;
  • PCR (marcador de inflamação no corpo);
  • Exame de fezes (Dosagem de Calprotectina fecal, PPF, Cultura e antibiograma) 
  • Endoscopia Digestiva Alta;
  • Ileocolonoscopia (Endoscopia Digestiva Baixa);
  • Ressonância Nuclear Magnética;
  • Tomografia Computadorizada;
  • Entero-tomografia;
  • Entero-ressonância;
  • Trânsito de Intestino Delgado – com contraste de bário;
  • Enema Opaco – exame de imagem, feito com contraste via retal;
  • Exame Histopatológico (biópsia).

A doença de Crohn tem cura?

A Doença de Crohn é uma doença crônica e incurável, porém, hoje em dia, temos ótimos tratamentos que contribuem para controle de seus sintomas e de sua evolução. 

Dessa forma, pacientes diagnosticados podem viver com tranquilidade, tendo uma vida ativa e de qualidade, desde que sigam as orientações médicas a respeito da condição. O gastroenterologista é o especialista responsável por diagnosticar e tratar a patologia. 

Tratamento

O tratamento da Doença de Crohn possui diferentes frentes e tem como objetivos a indução e a remissão dos sintomas, focado na melhoria da qualidade de vida da pessoa. A terapia recomendada irá depender de alguns fatores, dentre eles gravidade, local de acometimento da doença e estado geral do paciente.

Antes de prosseguirmos em relação ao tratamento, é importante destacar que não existem tratamentos caseiros ou naturais para a condição. Em hipótese alguma, o indivíduo deve tomar qualquer tipo de medicação que não seja prescrita pelo seu médico. 

Diferentes fármacos são utilizados no controle da Doença de Crohn, dentre eles aminossalicilatos,  corticosteróides,  antibióticos e imunossupressores.  O tratamento medicamentoso tem como foco o alívio dos sintomas, a prevenção de outras complicações e reduzir o risco para o desenvolvimento de câncer de intestino. 

Conforme o tempo de evolução da doença e a falha no tratamento clínico, ou em decorrência de complicações (obstrução intestinal total  ou  parcial,  fístulas  entéricas,  abcessos  e massas  inflamatórias, hemorragias,  perfuração,  neoplasia  maligna  confirmada…), uma intervenção cirúrgica pode ser necessária.

O procedimento pode levar a perda extensos segmentos intestinais, além disso, o risco de complicação é maior que 40% se for realizado de forma tardia ou emergencial. Lembrando que devemos sempre tentar sermos mais econômicos possível na extensão das ressecções, pois como trata-se de uma doença crônica, o risco de intervenções cirúrgicas com a necessidade de novas ressecções, sempre existe.

Na maioria dos casos é indicada ainda uma terapia nutricional, que dependerá do estado do próprio paciente e visará a recuperação do seu estado nutricional e imunológico, com aporte adequado de nutrientes. A desnutrição é uma complicação frequente nesses pacientes e pode colaborar para piora do quadro e complicações multisistêmicas, por isso a questão merece toda atenção.

Outro fator importante é a realização de atividades físicas regulares e suporte psicológico, pois além de melhorar os índices de saúde física, auxiliam no equilíbrio emocional, que é fundamental para a persistência e seguimento no tratamento contínuo, e deste modo, permitindo uma vida ativa e mais próxima da normalidade.

Como coloproctologista, Dr. Alexandre Nishimura pode te auxiliar nos tratamentos clínicos e cirúrgicos da Doença de Crohn. Entre em contato e agende uma consulta.

Comentários

  • Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar!

Aguarde..